Mercado

O mercado de moda e vestuário não se restringe apenas a concepção e confecção de roupas e calçados. A cadeia produtiva desse segmento é bem maior do que podemos imaginar. Os serviços de pós-venda e manutenção (conserto, reparação e customização de roupas) também constituem uma importante etapa dessa atividade econômica.

É muito importante para o sucesso do empreendimento a diversificação das atividades da loja. Quanto menor o número de clientes, maior o risco do empreendedor em momentos de crise ou mesmo durante a baixa estação do comércio. Quanto maior a diversificação de clientes, ou seja, melhor o mix de serviços oferecidos nas lojas, maiores as chances de sucesso.

 

ATELIÊ DE COSTURA

A fidelidade do consumidor é conquistada principalmente pela qualidade do serviço prestado, pontualidade, simpatia e cordialidade do prestador de serviços, além do preço. A especialização em determinados consertos, que o Franqueado tem acesso ao adquirir nosso know how, como consertos em ternos ou vestidos de festa, constituem um diferencial para nosso Franqueado em relação à concorrência.

Nosso conceito vai capacitar a sua equipe para desempenhar presteza no atendimento, rapidez no serviço com qualidade, que são ingredientes essenciais para o sucesso neste segmento. No geral, os maiores diferenciais neste nicho de mercado são a qualidade, pontualidade e o preço dos serviços.

As redes que oferecem conserto e customização de roupas estão entre as tendências de franquias para 2017, segundo especialistas. Com a crise, nós conseguimos crescer porque as pessoas estão percebendo que é possível customizar, reaproveitar e consertar suas roupas e calçados.

Em nossas lojas, no ápice da crise econômica em 2015, nossas lojas aumentaram o faturamento em 25% em comparação com 2014. Em 2016, tivemos crescimento estável, com média de 10% de aumento no faturamento, em comparação com 2015.

Em nossas lojas, os consertos de roupas representam cerca de 50% a 80% do faturamento, mostrando que, mesmo com sinais de melhora da economia, a procura por serviços de reparos de artigos continua aquecida, porque a iniciativa já começou a fazer parte da vida do brasileiro: as pessoas perceberam que podem restaurar e deixar uma peça renovada em vez de comprar uma roupa nova.

 

OFICINA DE SAPATARIA

Um aspecto importante no negócio de sapataria é dado pelo nível de renda do mercado a ser atingido.

As camadas superiores de renda, que utilizam calçados de alto preço, tendem a preservá-los, na medida em que é muito mais barato conservar e/ou recuperar o bem do que adquirir um novo.

Há ainda, neste nicho de mercado, aquele cliente que, por razões de comodidade ou estética tem particular apreço a um calçado e reage a substituí-lo. Este é um serviço mais especializado, cuidadoso, na medida em que o cliente é em geral sofisticado e o calçado de alto valor.

Em ambos os segmentos, o preço do serviço deve ser compensatório para substituir a compra de um novo calçado. O que varia é o resultado: uma parte do mercado exige alta qualidade e sofisticação, enquanto a outra privilegia a durabilidade.

É essencial, dentro da oficina de sapataria, realizar consertos de cintos, malas, mochilas, etc, realizando estas tarefas sem comprometimento do foco (conserto de calçados), da qualidade, do cumprimento de prazos e demais características que assegurem a confiabilidade da clientela.

Segundo número de nossas lojas, os consertos de calçados representam cerca de 20% a 40% do faturamento, revelando-se um mercado estável, sofre pouco com crises sazonais e está embalado pela crescente sofisticação da demanda por serviços desse setor.

 

USE + GASTE –

Apesar de nós sabermos que há um público que prefere comprar roupas e calçados novos a consertar, o reaproveitamento e a economia compartilhada, principalmente para a nova geração, são tendências que vieram para ficar. Essa nova geração não se interessa em ter peças novas. Ela quer algo prático.

Renovar e prologar a durabilidade dos calçados e roupas é uma tendência natural de consumo sustentável, pois a atual geração tem consciência de que, usar por mais tempo uma calça jeans, por exemplo, diminui o impacto para a produção de uma calça nova: utiliza-se menos tecido (jeans e linhas de costura).

De um calçado então, o impacto é ainda maior, pois para fazer um novo utiliza-se couro, borracha, linhas de tecido, espuma, ou seja, a quantidade de componentes fabricados e a cadeia de valor é muito maior.

Portanto, cada vez mais, nossas lojas tem a filosofia de USAR MAIS (+) e GASTAR MENOS (-), alinhada com a necessidade de estabelecermos práticas sustentáveis para realização de nossos serviços.


Para se candidatar é necessário preencher os dados a seguir e clicar em enviar.

Nosso modelo segue à Lei da Franquia – Lei 8.955, de 15 de Dezembro de 1994.

Retornaremos seu contato o mais breve possível.

Muito obrigado pelo interesse!